segunda-feira, 11 de junho de 2007

TESTAMENTO

(Em especial para os mais recentes amigos/as, republico este Post. O poema foi escrito em 1998.)



Quis tanto que fosses meu,
quis ter-te de corpo e alma,
mas todo esse querer morreu,
e agora, que morro eu,
tudo te deixo em herança,
toda a fúria e toda a calma,
toda a dor e toda a esperança...
sim, tudo o que é meu é teu.

Toda a troça, todo o credo,
todo o mel deste segredo,
todo o fel deste degredo,
todo o Inferno, todo o Céu.
Toda Vénus, todo Marte,
toda a Ciência e toda a Arte,
toda a luz e todo o breu...
sim, tudo o que é meu é teu.

As canções, as gargalhadas,
as tropelias, as farsas,
o teatro e as mascaradas,
os vilões e as desgraçadas,
as ceifas, as desfolhadas,
os fados e as desgarradas,
os elefantes e as garças,
as madressilvas e as sarças,
as noites e as madrugadas...

Explosões de supernovas,
folhas caídas no chão,
cantigas, odes e trovas,
hinos de libertação,
alegrias e más novas,
grandes e pequenas provas
em tempos de provação,
sim, tudo o que é meu é teu
que eu já nada quero, não.

Beethoven, Mozart, Chopin,
Vivaldi, Brahms, Débussy,
Fauré, Falla e Albeniz,
Verdi, Lizst e Couperin,
Mahler, Rossini, Berlioz,
Tschaikovsky, Schubert, Ravel,
Gershwin, Bernstein e Gardel,
valsas tristes, sinfonias,
rapsódias, polcas e tangos,
salmos, missas, litanias,
quartetos, polifonias,
nocturnos e fantasias,
sambas, batuques, fandangos,
sons e luzes da ribalta
teus dias inundarão,
que aos meus já não fazem falta,
eu já não sinto emoção.

Vicente, Camões, Pessoa,
Camilo, Eça, Aquilino,
Torga e António Vieira,
Régio, Florbela e o Sadino,
Cesário, Eugénio de Andrade,
Vergílio e Saramago...
Rostand, Verlaine, Rimbaud,
Voltaire e Victor Hugo,
Schweitzer, Saint-Exupéry,
Teresa de Calcutá,
Pierre e Maria Curie,
Pasteur, Abel Salazar,
e Agostinho da Silva,
(homem de filosofar),
Galileu, Newton, Einstein,
Stephen Hawking, Carl Sagan,
Freud e Pierre Coubertin,
Dali, Picasso, Gaudí,
Miguel Ângelo e El Greco,
Da Vinci e Umberto Eco,
William Shakespeare, Oscar Wilde,
Cervantes e Rosalía
e Federico García,
Neruda e Jorge Amado...
Visconti, Disney, Charlot,
Bergman, Tati e Truffaut,
e mais outros que à lembrança
me ficaram por chegar,
todos te deixo em herança,
todos te quero legar.

Trovas, odes, salmos, cantos,
sagas de cavalaria,
crónicas, sonetos, prantos,
romances em poesia...
Quadros de uma exposição,
cores quentes, cores frias,
pedra afeiçoada à mão
durante mais de mil dias...
Mas de toda a condição
e toda a variedade
de artes e sabedorias,
maior é um coração
que, apesar da adversidade,
dá amor todos os dias.

Correrias de crianças,
gemidos de moribundos,
tempestades e bonanças,
batalhas e alianças,
átomos, homens e mundos.
Dez lágrimas de vestal,
cem notas de partitura,
mil pedras de catedral,
dez mil sedes de água pura,
todo o mal e toda a cura
e um coração de cristal.

Toadas de carrilhão,
caravelas afundadas,
esmolas na palma da mão,
prostitutas maquilhadas,
a navalha do ladrão,
uma cama de cartão,
quase-tudos, quase-nadas.
Chuvas quentes, tropicais,
neves, granizos, geadas,
desertos e pantanais,
demónios, espectros e fadas.
A cor nos olhos do cego,
a voz na boca do mudo,
sorrisos por quase nada,
lágrimas por quase tudo.

Lábios frescos de morangos,
corpos nus em bacanais,
luxúrias, gulas, orgias,
sete pecados mortais,
maus-olhados, bruxarias,
paraísos infernais,
purgatórios, agonias,
vielas e mourarias,
becos tristes, irreais,
onde os dias não são dias,
nunca se dorme ou descansa
e o espectro da Morte dança,
fixando órbitas vazias
nos olhos de uma criança,
tudo te deixo em herança,
incluindo as mais-valias.

Estilhaços de encantamento
perdidos na confusão
dos dias de sofrimento,
das horas de maldição...
Retalhos de um sentimento
que escorre do coração,
que é sangue e grito e lamento,
mas faz bela a solidão...
Centelhas de desespero
e auto-destruição
por ver que um amor sincero
morre sem consumação,
tudo deixo em testamento,
e quer aceites ou não,
aqui lavro o documento
e assino por minha mão.

Já que não podes ser meu,
mato este desejo ardente,
e o sol que me enlouqueceu
condeno a ser sol-poente...
neste coração demente
decreto que reine a calma,
só o tédio o atormente,
só poesia o alente,
só no sofrer ganhe a palma...
a culpada sou só eu
de tudo o que é meu ser teu,
todo o Sonho nesta mente,
todo o Clímax neste corpo,
todo o Inferno nesta alma.

Aspásia 98



(Imagens retiradas do Google Images.)


La Septième Cible
Vladimir Cosma

22 comentários:

gasolina disse...

Aspásia!

Este "Testamento" é um manifesto à vontade e também ao cortar de uma ligação, mas principalmente à "BOA" poesia!
ADOREI!
GRANDE ASPÁSIA!

Um beijo grande!

Vanina disse...

Aspásia!

Isto é POESIA!

Fantástico poema! Escreves muito bem!

Beijinhos

irneh disse...

Muito bom. Gostei.

Maroska disse...

Boa Tarde princesa,

a tua poesia faz-me tanto pensar em minha vida que perdi a noção de onde estou...vou de mini férias, pode ser que passe aqui mais vezes, com mais tempo.

Uma beijoca grande minha e do Guilherme

PAH, nã sei! disse...

obrigada...

gasolina disse...

ASPÁSIA,

PASA LÁ NO MEU CANTINHO.
ESTÁ LÁ UM MIMO PARA TI.

BEIJINHOS

sonhadora disse...

Passa pelo meu blog. Tens lá um presentinho meu.
Beijinhos embrulhados em abraços

sonhadora disse...

Amiga, deixo-te o meu coração carregadinho de sonhos.
Beijinhos embrulhados em muitos, muitos abraços.

A.S. disse...

Aspásia... Felicito-te por esta magnifica obra!... Belissimo!!!


Um beijo!

Brain disse...

Aspásia,

Numa única palavra:
F-A-B-U-L-O-S-O !!!!!!!

Beijo.

Vanina disse...

BEIJOSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS!

Soberbo poema, minha querida amiga!

Lindo! Lindo! Lindo!

Lord of Erewhon disse...

Consegui ler até final.

Vanina disse...

És já uma grande amiga. As tuas palavras trazem o afecto que preciso.
Beijinhossss

Mário Margaride disse...

Este Testamento, além de fabulosamente bem escrito, é um autêntico testamento no sentido literal. É enorme!!!!!!!!

Mas muito belo....

Beijinhos

ASPÁSIA disse...

AMIGAS/OS

AGRADEÇO A TODOS AS PALAVRAS DE ELOGIO E CARINHO.

ÀS 2 AMIGAS - GASOLINA E SONHADORA - QUE ME PRESENTEARAM COM MEMES-MIMOS UM BEIJO ESPECIALMENTE MIMADO!

UMA BOA NOITE A TODOS.

ASPÁSIA disse...

MM

PRAZER EM VE-LO AQUI PELA 1ª VEZ!

PELO Q JA DEVE TER LIDO NO JARDIM DA SONHADORA, TENHO PENA DE NAO PODER RETRIBUIR MUITAS VISITAS PELO MEOS POR AGORA..

QTO AO TITULO "TESTAMENTO" DE FACTO QUIS DAR-LHE ESSES 2 SENTIDOS PRECISAMENTE!!!

TB. NAO SE FAZ "TESTAMENTO" TODOS OS DIAS. É O QUE VALE...

OBGADA E BEIJINHOS

gasolina disse...

Aspásia,

Vou ficar à espera de outro "Testamento".

Um beijo grande e obrigado pelo teu mimo!

sonhadora disse...

ASPÁSIA, LINDA!

Deixo-te o melhor dos meus sonhos: um dia cheio de saúde, amor e alegria.
Beijinhos embrulhados em abraços!

ASPÁSIA disse...

*GASOLINA, MEU FRASQUINHO DE COMBUSTÍVEL PERFUMADO A SÂNDALO!!!

EU QUERIA MESMO FAZER UM "NOVO TESTAMENTO"!.... DEDICADO A TODOS VÓS AMIGOS/AS Q ME TÊM ACARINHADO, APESAR DE EU NAO PODER SER ASSIDUA NOS VOSSOS BLOGS...
NAO PODE SER JA! MAS FICA PROMETIDO E ESPERO Q O "APOCALIPSE" QUE AGORA ESTOU ATRAVESSANDO APORTE A SEU TEMPO, QUAL "ARCA DE NOÉ" A TERRA FIRME... ONDE MAIS SERENA EU ME POSSA DEDICAR A ALGUMAS "SANTAS OBRAS" QUE AGORA ESTAS EM Q ANDO METIDA... DE SANTO TÊM MTO POUCO E DE BARULHO E CONFUSÃO TÊM DEMAIS!!!

BEIJINHOS À PROVA DE FOGO ;))...

ASPÁSIA disse...

SONHADORA, MINHA PRINCESITA!!!

AGRADEÇO DO FUNDO DO CORAÇÃO ESSES VOTOS --- TANTO QUE, PARA MAIS, HOJE MEU PAPÁ FAZ 93 ANINHOS E CREIO Q, SE O SOUBESSES, OS TERIAS TORNADO EXTENSIVOS A ELE!

VOU TENTAR PÔR ALGO AINDA Q REPETIDO DO "JARDIM" NO "QUINTAL DO MEU PAI"... DEPOIS DEIXO AQUI UM LINK...

ABRAÇOS COM 93 BEIJINHOS DENTRO!!!

(**********)
(**********)
(**********)
(**********)
(**********)
(**********)
(**********)
(**********)
(**********)
(***)

gasolina disse...

ASPÁSIA,

VOU A CORRER PARA O QUINTAL DO TEU PAI!

BEIJOS!!!

PS.: OLHA QUE EU VOU COBRAR UM NOVO POEMA...NÃO ME ESQUEÇO!!!

Eliana Mara disse...

Aspásia,

demorei um pouco para estar aqui, mas eis-me, para te dizer que testamento é um poema para todos. Que diz muito a todos os que amam com intensidade. E diz tanto de suas leituras, de seu jeito de ser no mundo.
Gostei.
beijos brasileiros,
Eliana Mara